Cirurgia de hérnia de hiato: quem deve fazer

09/05/2018 • Artigo por

Cirurgia de hérnia de hiato: quem deve fazer

Você sabia que a cirurgia de hérnia de hiato é um recurso bastante eficaz no caso desse tipo de condição? Importante para controlar o refluxo, a cirurgia é indicada quando os medicamentos não apresentam efeitos. Mas em que casos será que esse procedimento é aconselhável?

Quando a cirurgia de hérnia de hiato é indicada?

O procedimento é uma opção para tratar pacientes com hérnia de hiato e doença do refluxo gastroesofágico (DRGE). Também chamada de cirurgia antirrefluxo, a operação é a alternativa quando o tratamento medicamentoso não surte efeito ou quando aparecem complicações mais sérias.

A endoscopia, a pHmetria e a manometria são  exames fundamentais para avaliar o quadro e verificar a quantidade de refluxo e o funcionamento da válvula do esôfago. O intuito principal é controlar os sintomas, extinguir a agressão ao esôfago e interromper uma possível evolução do quadro.

Os possíveis agravamentos seriam provocados pelas alterações no revestimento interno do esôfago, como ocorre no caso de ulcerações, metaplasia e displasias (Doença de Barrett), que podem até levar ao câncer.

O que é a hérnia de hiato?

A cavidade torácica se separa da cavidade abdominal pelo diafragma, um músculo muito importante do organismo. No diafragma, existe um orifício, chamado de hiato. É por meio dele que passa o esôfago. Caso, por algum motivo, esse orifício se alargue, a pressão abdominal leva o conteúdo para dentro do tórax – ao que chamamos de hérnia de hiato.

De uma maneira geral, o estômago é o órgão abdominal mais frequente a ser afetado no caso da hérnia de hiato. No entanto, outros órgãos podem ser acometidos, como o intestino delgado, cólon e o grande epiplon (que caracteriza as duas dobras do peritônio, revestidas por uma fina membrana, responsável por recobrir a cavidade abdominal).

Como a hérnia de hiato não pode ser vista externamente, é preciso realizar exames para detectar o que está causando os sintomas apresentados. Os exames mais eficientes que a revelam são: endoscopia digestiva alta, radiografia contrastada esofagogástrica e a tomografia computadorizada (TC).

Não se conhecem muito claramente as causas da hérnia de hiato, mas a obesidade, por exemplo, sugere o aumento da pressão abdominal e o consequente aparecimento da condição.

Tipos de hérnia de hiato

Hérnia de hiato por deslizamento (tipo 1)

É a mais frequente de todas, caracterizada pela transição esofagogástrica que se desloca para dentro do tórax, arrastando uma parte do estômago.

Hérnia do hiato paraesofágica (tipo 2)

Na qual a transição esofagogástrica encontra-se na posição correta, mas uma parte do estômago passa por meio do hiato, para dentro do tórax.

Hérnia de hiato do tipo 3

Consiste na combinação do tipo 1 e do tipo 2.

Hérnia de hiato do tipo 4

É o caso de quando apresentam-se outras estruturas, como o cólon ou o epiplon, em seu interior.

Hérnia de hiato estrangulada

Esse é um caso muito grave, mas bastante raro de hérnia de hiato. O conteúdo da hérnia fica preso dentro do tórax e a circulação sanguínea é imensamente prejudicada, sendo a urgência cirúrgica a única saída para resolver a situação.

Sintomas da hérnia de hiato

As hérnias de hiato menores não apresentam sintomas. Em alguns casos, a anemia pode ser um sinal. Em outros, sintomas variados podem ser observados:

  • crises asmatiformes;
  • tosse irritativa crônica;
  • dificuldade em respirar;
  • cansaço fácil e frequente;
  • disfagia (dificuldade em engolir);
  • dor epigástrica ou retroesternal;
  • refluxo gastroesofágico (sensação de queimação dentro do tórax);
  • arritmia;
  • palpitação.

Tratamento

O tratamento da hérnia de hiato depende dos sintomas apresentados, o volume e o respectivo risco de complicações que podem surgir ao paciente. Manter o peso ideal e se alimentar de maneira saudável são pré-requisitos para o tratamento da hérnia de hiato, a fim de prevenir a obesidade. A restrição alimentar vai depender de cada caso. Quanto mais a pessoa puder eliminar alimentos ricos em gorduras, chocolates e bebidas gaseificadas, melhor.

Cirurgia de hérnia de hiato

A cirurgia de hérnia de hiato é um procedimento feito por videocirurgia. Esse processo consiste na visualização dos órgãos internos por meio da inserção de uma câmera no interior do abdômen, que processa as imagens de toda a região. A cirurgia recoloca os órgãos herniados para dentro do abdômen e sutura a deformação do hiato, de maneira que também previne o refluxo gastroesofágico. É uma operação rápida, pouco dolorosa e de recuperação curta. Como todo procedimento cirúrgico, apresenta alguns riscos, que devem ser considerados pelo médico e o paciente.

Algumas indicações para o pós-operatório

  • Não dirigir automóveis nos primeiros dez dias.
  • Evitar relações sexuais durante quinze dias.
  • Exercícios físicos leves podem ser feitos após um mês (corrida e natação).
  • Exercícios físicos moderados podem ser feitos a partir de dois meses (alongamento, musculação, pilates e hidroginástica).
  • Manter uma dieta líquido-pastosa nos primeiros sete dias após a operação, sem gorduras e condimentos, dando preferência a líquidos mais consistentes.
  • Conforme a liberação do médico, na segunda semana após a cirurgia, já é possível ter uma dieta branda (legumes cozidos, grelhados, purês e massas).
  • O curativo deve ser retirado 24 horas após a cirurgia, além de ser limpo com gaze estéril e álcool, e coberto com fita microporosa.

Agende uma consulta com um médico para obter maiores esclarecimentos. Para mais informações, acesse o Facebook e o Instagram.