O que fazer em caso de ter refluxo na gravidez

17/05/2018 • Artigo por

O que fazer em caso de ter refluxo na gravidez

Algumas mulheres só entendem o que é refluxo quando engravidam. É bastante comum o refluxo na gravidez, um incômodo que acaba resultando em azia ou indigestão.

De incidência bastante comum, o desconforto estomacal pode ser muito desconfortável para as gestantes. Na maioria das vezes, esse é um problema inofensivo, que pode ser tratado de maneira segura, com medicamentos simples e mudanças na dieta e estilo de vida. Felizmente, o refluxo na gravidez não afeta a saúde do bebê.

Por que acontece o refluxo na gravidez?

Junto à gravidez, uma série de alterações ocorrem no organismo da mulher. O refluxo, por sua vez, pode ser bastante comum em decorrência da progesterona, principal hormônio em gestantes, que retarda o funcionamento do sistema digestivo. Além disso, o útero em expansão acarreta numa possível pressão que o bebê exerce sobre o estômago, aumentando as possibilidade do suco gástrico fazer o movimento inverso e se direcionar à garganta. Outra causa para o refluxo na gravidez está relacionada ao alto teor de ferro das vitaminas pré-natais, que supostamente irritam o estômago e provocam os sintomas de azia, queimação e náuseas.

De uma maneira geral, o refluxo não é necessariamente uma condição para as gestantes, ou seja, é possível que várias mulheres não sintam esse incômodo. Isso vai depender de outros fatores, como os hábitos que a mesma já possuía, a alimentação e a própria fisiologia do organismo.

Sintomas e tratamento

Para diagnosticar o refluxo na gravidez, é preciso observar os possíveis sintomas que podem aparecer. Sensação de queimação na garganta ou na parte superior do tórax, náuseas, azia, arrotos e regurgitação são os principais sinais do refluxo.

Caso os sintomas persistam após o parto, é necessário realizar uma consulta médica e exames adicionais. O mais solicitado é a endoscopia digestiva alta, que observa diretamente a parte superior do trato gastrointestinal – composta pelo esôfago, duodeno e estômago.

Ao sentir os desconfortos gerados pelo refluxo na gravidez, a mulher deve procurar um especialista. Os medicamentos que, geralmente, são indicados, nesses casos, são os antiácidos, em líquido ou comprimido, que neutralizam a acidez estomacal. Os antiácidos mastigáveis, compostos por carbono de cálcio, também são bastante eficazes. Já os medicamentos que contém alumínio devem ser evitados, pois podem causar prisão de ventre e possuir efeito tóxico, em doses elevadas.

Como amenizar o refluxo na gravidez

Fora os medicamentos receitados pelo médico, algumas medidas são importantes para amenizar o refluxo na gravidez. Mudanças simples podem surtir muito efeito nos hábitos alimentares, assegurando o bem-estar da mãe e do bebê.

Para aliviar sintomas como a azia, aconselha-se:

    • evitar bebidas com cafeína, gaseificadas e alcoólicas, assim como sucos, vegetais e frutas cítricas;
    • evitar carnes processadas, chocolate, alimentos apimentados, de tempero forte, gordurosos e/ou fritos;
    • evitar produtos mentolados, mas incluir a hortelã para aliviar os sintomas do refluxo, pois este acalma o estômago. Já o chá de menta, por exemplo, relaxa o esfíncter esofágico e promove a volta do suco gástrico pela garganta;
    • fazer refeições menores, com maior frequência, ao invés de três grandes refeições exageradas;
    • manter-se hidratada;
    • não ingerir líquidos durante as refeições;
    • esperar de duas a três horas para dormir, após ingerir líquido ou algum alimento;
    • manter-se ereta por, no mínimo, uma hora, após as refeições;
    • caminhar para incentivar a digestão;
    • usar roupas confortáveis e que não apertem;
    • controlar o peso;
    • elevar a parte superior do corpo ao dormir, usando almofadas ou travesseiros;
    • dormir do lado esquerdo (pois ao se deitar do lado direito, o estômago ficará mais alto que o esôfago, o que pode intensificar o refluxo);
    • mascar uma goma sem açúcar, após as refeições, aumenta a saliva e neutraliza o ácido que volta para o esôfago;
    • evitar o consumo de leite, que aumenta a acidez estomacal;

 

  • optar por técnicas de relaxamento muscular ou Yoga pode aliviar o quadro.

 

Confirmar, com um médico de confiança, que as sugestões acima são eficazes, é sempre mais seguro. Para obter outras dicas, acompanhe o Facebook e o Instagram.